Foi em 2011 que a ACIM – Associação de Cuidados Intermédios Médicos – foi criada, tendo vindo a ajudar a mudar a forma como, em Portugal, as Unidades de Cuidados Intermédios são vistas, encaradas, e a sua posição cada vez mais central na abordagem do doente agudo, para o diagnóstico, monitorização e tratamento. Trata-se de uma associação independente, sem qualquer relação direta com outras instituições, nomeadamente hospitalares.

A ACIM aposta na divulgação dos Cuidados Intermédios como uma “nova” área de interesse no seio da comunidade médica e de enfermagem e, sobretudo, pelo “caminho” da formação.

A ACIM foi responsável pela organização de múltiplos eventos até à data, nomeadamente de i) encontros nacionais dirigidos à abordagem das patologias mais comummente lidadas em contexto de Unidades de Cuidados Intermédios; ii) cursos de formação pós-graduada no âmbito de disciplinas técnicas (curso de acessos vasculares e patologia da pleura) e outros orientados em noutros domínios médicos mais teórico e teórico-práticos (hepatites agudas, complicações agudas da cirrose, urgências e emergências endócrinas, fundamentos em medicina de urgência, intoxicações agudas); iii) reuniões internacionais monotemáticas de que são exemplo as várias edições do “Porto Liver Meeting”, sempre realizadas na cidade do Porto e a 23 de Junho de cada ano.

A ACIM lança, agora, no 2º semestre de 2017 um novo site e, com ele, uma renovada vontade de dinamizar o conhecimento médico e científico no âmbito da patologia aguda. Vamos reeditar vários cursos de formação pós-graduada e elaborar novos. Vamos continuar a promover a divulgação científica com a manutenção da publicação da CIP – Cuidados Intermédios em Perspectiva. Vamos tentar alargar a nossa área de influência, trazendo elementos de várias especialidades à nossa dinâmica querendo, com isso, mostrar a multidisciplinaridade que este conceito de tratar doentes implica. Vamos renovar e inovar!

De igual forma, a ACIM, como entidade ambientalista não quer desperdiçar recursos, pelo que pretende desempenhar a sua atividade sem papéis, sem desperdícios, em prol do bem estar, do meio ambiente e do futuro da comunidade.

Nada disto é possível sem a colaboração de todos os elementos que direta ou indiretamente intervêm na ACIM, desde dirigentes a todos os associados e colaboradores.

Envolva-se com a ACIM. Torne-se sócio, usufrua das vantagens e venha colaborar connosco!

 

Contamos consigo!

 

Pela equipa “ACIM”

Filipe Nery

Presidente da direcção da ACIM

Avisos legais

Ao visitar o portal da ACIM, existem algumas regras que importam saber. Para tal, pedimos ao visitante que leia com atenção estes Termos e Condições Gerais.

Não tencionamos introduzir com frequência alterações aos nossos termos e condições mas reservamo-nos o direito de o fazer. Contudo, é sempre uma boa ideia confirmar, quando visitar o portal, a fim de se assegurar que leu e concordou com os termos e condições em vigor. Quaisquer alterações aos nossos termos e condições serão apenas de aplicação futura. De forma geral, não efectuaremos alterações aos nossos termos e condições com efeitos retroactivos a menos que a isso sejamos obrigados por lei. A sua continuada utilização deste portal após esse período constituirá a sua aceitação dos termos novos ou alterados.

 

Detenção de Propriedade Industrial Intelectual

Direitos de Autor

Todos os direitos de autor e outros direitos de propriedade intelectual sobre as imagens, gráficos, texto, clips de vídeo e de áudio, marcas comerciais, logotipos e outro conteúdo disponível neste portal (“Conteúdo”) são propriedade da Associação de Cuidados Intermédios Médicos ou utilizados sob licença.

Se bem que possa copiar parte deste portal para o seu próprio computador, para uso pessoal, não poderá copiar ou incorporar qualquer Conteúdo disponível no portal para qualquer outro espaço de trabalho, incluindo o seu próprio portal, nem utilizar o Conteúdo de qualquer outra forma pública ou comercial. Isto significa que não poderá disponibilizar a terceiros nem distribuir qualquer parte do nosso portal a menos que para tal possua licença por nós concedida. Isto também significa que a Associação de Cuidados Intermédios Médicos retém os direitos totais e completos de todo esse Conteúdo, incluindo qualquer software ou código que possa ser importado, quaisquer imagens incorporadas ou geradas pelo software, bem como quaisquer dados que as acompanhem. Não o poderá copiar, modificar, reproduzir, importar, transmitir, distribuir, realizar actos de engenharia inversa, desmontar ou de qualquer modo converter para qualquer outro formato.

Não poderá alterar nenhum dos avisos relativos aos direitos de autor, marcas comerciais ou outras marcas que acompanham o Conteúdo. Se desejar uma ligação para a home page do nosso portal, isso é possível, mas por favor não utilize o nosso Conteúdo no seu próprio portal. Não poderá estabelecer ligações a outras páginas para além da home page (isto é, não poderá efectuar deep-links) para o nosso portal sem a nossa autorização específica por escrito.

 

Materiais Enviados

Respeitaremos os seus direitos relativos à protecção dos dados pessoais. Teremos todo o gosto em receber as suas histórias, comentários, sugestões, ideias, imagens ou outro material, mas lembre-se por favor que se exportar ou enviar tais materiais através deste portal, está a conceder todos os respectivos direitos à Associação de Cuidados Intermédios Médicos e, dependendo da lei aplicável, a Associação de Cuidados Intermédios Médicos passará a ter propriedade dos materiais que nos enviar ou o seu envio será considerado como a concessão à Associação de Cuidados Intermédios Médicos de uma licença exclusiva e por tempo indefinido para a sua utilização.

Isto significa que todas as histórias, comentários, sugestões, ideias, imagens ou outras informações exportadas ou enviadas à Associação de Cuidados Intermédios Médicos através deste portal, que não estejam relacionadas com a candidatura a um emprego, passam automaticamente a ser consideradas como propriedade da Associação de Cuidados Intermédios Médicos ou poderão ser utilizadas pela mesma. Esta informação não é confidencial e poderemos utilizá-la como melhor o entendermos – o que inclui a respectiva reprodução, divulgação, publicação ou difusão aqui ou em qualquer outro lugar, por este meio ou por qualquer outro meio agora conhecido ou inventado no futuro. Em circunstância alguma terá direito a qualquer pagamento se os materiais enviados forem por nós utilizados para qualquer fim.

 

Restrições de Utilização

Não poderá empreender quaisquer actividades através do portal que sejam ilegais, ofensivas, abusivas, que violem os direitos de terceiros, ou que impeçam os outros utilizadores de utilizar e apreciar este portal. Não poderá monitorizar nem copiar o Conteúdo do portal, através da utilização de qualquer dispositivo robot, “bot”, “crawler”, “spider” (programas de controlo e monitorização) ou outro dispositivo automático ou processo manual, sem a nossa autorização por escrito, ou desenvolver qualquer actividade que interfira com o correcto funcionamento do portal. Concorda em indemnizar, defender e isentar de responsabilidades a Associação de Cuidados Intermédios Médicos e as suas filiais, associadas, funcionários e empregados relativamente a quaisquer danos, responsabilidades e despesas (incluindo honorários razoáveis de advogados) decorrentes de reclamações de terceiros como consequência ou resultado da sua utilização do portal. Reservamo-nos o direito de terminar o seu acesso ao portal em qualquer altura, sem aviso, e por quaisquer motivos.

 

Não Damos o Nosso Aval a Produtos ou Serviços de Terceiros

Embora este portal possa mencionar produtos ou serviços de terceiros ou conter links para portais ou informações de terceiros, não damos o nosso aval, não oferecemos quaisquer garantias nem fazemos representações dos mesmos. Todos os links para outros portais são fornecidos apenas para sua comodidade. A decisão sobre estes produtos, serviços e websites de terceiros é inteiramente da sua responsabilidade.

Política de Privacidade

Não deixe de ler os documentos sobre Política de Privacidade e os consentimentos relativos à protecção de dados, a fim de ficar a saber que tipo de informações pessoais recolhemos neste portal, como elas são tratadas e a que fins se destinam.

 

Utilização deste Portal: Declaração de Isenção e Limitação de Responsabilidades

Nem a Associação de Cuidados Intermédios Médicos, nem ninguém que tenha ajudado a desenvolver, criar, produzir ou fornecer o conteúdo deste portal é responsável por quaisquer danos decorrentes da sua utilização ou incapacidade para utilizar este portal, mesmo se tiver sido avisado da possibilidade de tais danos, a menos que essas pessoas tenham agido intencionalmente de forma dolosa ou demonstrado negligência grosseira ou no caso da responsabilidade não poder ser de outra forma excluída legalmente. Isto inclui, mas não se limita a:
– compensações por quaisquer perdas ou prejuízos;
– danos que não decorrem directamente de uma acção, mas apenas de algumas das consequências ou resultados dessa acção (danos indirectos); e
– outros danos e despesas diversos, tais como danos incidentais, especiais ou de carácter punitivo.

Esta exclusão não cobre a responsabilidade por morte ou ferimentos pessoais nem a responsabilidade por incumprimento de deveres estatutários ou contratuais.

Empreendemos esforços razoáveis para assegurar que a informação fornecida neste portal é exacta, mas não podemos garantir tal exactidão, e não fazemos qualquer representação referente à utilização ou resultados de qualquer conteúdo deste portal em termos da sua exactidão, fiabilidade ou qualquer outra.

Sem limitação para o que foi dito, e na medida em que a lei o permite, as funções contidas neste portal, as operações deste portal e todo o conteúdo deste portal são fornecidos “como estão”, sem garantia de qualquer espécie, expressa ou implícita, incluindo mas não limitado a, quaisquer garantias implícitas de comerciabilidade, adequação a um determinado fim, exactidão ou não infracção de direitos (mas excluindo qualquer garantia implícita ou condição que não possa ser legalmente excluída). Não há qualquer garantia contra interferências com a satisfação que obtém das informações deste portal. A informação nele contida ou os nossos esforços satisfarão qualquer um dos seus objectivos ou necessidades.

Se bem que nos reservemos o direito de remover quaisquer materiais que disponibilize no portal ou quaisquer informações que consideremos ofensivas ou de outro modo condenáveis, não nos responsabilizamos por qualquer material disponibilizado por qualquer utilizador nem por qualquer informação contida nos portais para os quais são fornecidos links. Concorda que a Associação de Cuidados Intermédios Médicos não é responsável nem lhe pode ser imputada qualquer conduta difamatória, ofensiva, de infracção ou ilegal de qualquer visitante deste ou de terceiros

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE CUIDADOS INTERMÉDIOS MÉDICOS

 

Capitulo I

Constituição, Denominação, Natureza, Sede e Objecto

 

Artigo 1º.

A Associação denomina-se “Associação de Cuidados Intermédios Médicos”, sigla ACIM, sem fins lucrativos e de âmbito nacional.

Artigo 2º.

A Associação tem a sua sede em Vila Nova de Gaia, na Rua João de Deus 102 3ºesq 4400-182 Vila Nova de Gaia, podendo, todavia, estabelecer delegações ou outras formas de representação onde for julgado conveniente para a prossecução dos seus fins.

Artigo 3º.

A Associação tem por fim a defesa e promoção, nos aspectos educacionais e de formação técnica e científica, dos seus associados, bem como a divulgação de conhecimentos e ensino dentro da área médica.

Artigo 4º.

Para a execução das suas atribuições, compete à Associação:

  1. Desenvolver o espírito de solidariedade e apoio recíproco entre os seus associados, para o exercício de direito e obrigações comuns;
  2. Promover a realização de seminários, congressos, palestras e estudos científicos na área dos cuidados intermédios;
  3. Promover a participação em congressos, seminários e viagens de estudo, para os seus associados, no país, União Europeia e no estrangeiro.
  4. Fomentar o ensino médico, pré e pós-graduado, designadamente através da atribuição de bolsas de estudo e aquisição de suportes de informação técnica;
  5. Participar na aquisição de equipamentos para utilização formativa na Unidade Intermédia Médica;
  6. Em geral, praticar todos os actos conducentes a fomentar e incrementar a educação e formação médica e de enfermagem, principalmente ao nível dos cuidados intermédios.

 

Capítulo II

Dos Associados

Artigo 5º.

Podem filiar-se na Associação os médicos e enfermeiros em geral, preferencialmente aqueles com ligação a Unidades de Cuidados Intermédios. Podem também filiar-se indivíduos ou instituições que respeitem os objectivos desta Associação.

Artigo 6º.

A admissão como associado é feita pela direcção mediante proposta por escrito pelo candidato e por dois associados no gozo pleno dos seus direitos.

Artigo 7º.

São direitos dos associados:

  1. Eleger e ser eleito para os cargos associativos;
  2. Tomar parte das Assembleias Gerais;
  3. Requerer a convocação da Assembleia Geral da Associação, nos termos dos estatutos e apresentar aí as propostas que entender;
  4. Informar e ser informado de tudo que seja de interesse da Associação e dos Associados;
  5. Solicitar a intervenção da Associação na defesa dos seus interesses, quando justos e legítimos;
  6. Utilizar os serviços que venham a ser organizados para benefício dos associados, bem como usufruir, de um modo geral, dos benefícios resultantes da Associação, nos termos que forem fixados pela Associação.

Artigo 8º.

São deveres dos associados:

  1. Exercer os cargos da Associação para que forem eleitos;
  2. Contribuir para o crescimento e progresso da Associação;
  3. Pagar a jóia de inscrição e as quotas fixadas nos termos dos estatutos;
  4. Cumprir todas as demais obrigações que lhe caibam pelos presentes estatutos e seus regulamentos e por lei.

 

Capítulo III

Administração e Funcionamento

Secção I  –  Disposições gerais

 

Artigo 9º.

São órgãos da Associação:

  1. a Assembleia Geral;
  2. a Direcção;
  3. o Conselho Fiscal.

Artigo 10º.

  1. O mandato dos membros da mesa da Assembleia Geral, da Direcção e do Conselho Fiscal, é de dois anos, podendo ser reeleitos.
  2. A eleição é realizada por escrutínio secreto e em listas separadas para cada órgão, devendo especificar-se os cargos a preencher para cada candidato.
  3. Os cargos referidos neste artigo não são remunerados.

 

Secção II  –  Assembleia Geral

 

Artigo 11º.

A Assembleia Geral é constituída por todos os associados no pleno gozo dos seus direitos associativos.

Artigo 12º.

Compete à Assembleia Geral:

  1. Eleger e destituir a todo o tempo a mesa, bem como a Direcção e o Conselho Fiscal;
  2. Definir as linhas gerais da acção associativa;
  3. Apreciar e aprovar o relatório e contas da Associação a apresentar anualmente pela direcção, depois de sujeitos ao parecer do Conselho Fiscal;
  4. Interpretar e alterar os estatutos;
  5. Aprovar os regulamentos internos da Associação;
  6. Autorizar a alienação dos bens imóveis ou a constituição, sobre eles de ónus reais;
  7. Determinar a extinção da Associação e a forma da sua liquidação;
  8. Estabelecer o critério da determinação das jóias e quotas a pagar pelos associados;
  9. Deliberar sobre qualquer outro assunto de interesse para a Associação ou para as pessoas que esta representa, e para que tenha sido devidamente convocada.

Artigo 13º.

  1. A mesa da Assembleia Geral é composta por um presidente e dois secretários.
  2. Compete ao Presidente convocar e decidir os pedidos de convocação da Assembleia Geral.

Artigo 14º.

  1. A Assembleia Geral reúne-se ordinariamente até ao dia 31 de Março de cada ano para apreciar e votar o relatório e contas da direcção e o parecer do conselho fiscal e, bienalmente, para proceder à eleição para os cargos sociais.
  2. A Assembleia Geral reúne-se extraordinariamente sempre que for convocada pelo presidente da mesa da Assembleia Geral por sua iniciativa ou a pedido da direcção, do Conselho Fiscal ou de um grupo constituído, pelos menos, por dez associados e ainda do recorrente, no caso de recurso interposto de deliberação da direcção.
  3. A convocatória deve ser realizada por aviso afixado na sede e ainda por método de aviso simples (postal, email, SMS) escolhido pelo associado expedido com pelo menos 5 dias de antecedência, onde se designará o local, dia e hora da reunião e a respectiva ordem de trabalhos.

Artigo 15º.

  1. Na Assembleia Geral, cada associado tem um voto.
  2. Um associado pode fazer-se representar, nas Assembleias Gerais, por outro associado mediante carta dirigida ao presidente da mesa, com assinatura reconhecida.
  3. Salvo disposição em contrário da lei, as deliberações da Assembleia Geral são tomadas por maioria simples.

Secção III  –  Direcção

 

Artigo 16º.

A direcção da Associação é constituída por cinco membros, sendo um presidente, um vice-presidente, um tesoureiro, um secretário e um vogal.

Artigo 17º.

  1. Compete fundamentalmente à direcção, representar, dirigir e administrar a Associação, praticando tudo o que for necessário ou conveniente à realização dos fins associativos.
  2. Cumpre, assim, designadamente à direcção:
  3. Representar a Associação em juízo e fora dela;
  4. Dar execução às deliberações da Assembleia Geral;
  5. Criar e organizar todos os serviços, nomear e exonerar o respectivo pessoal.
  6. Elaborar o relatório anual das actividades associativas e apresentá-lo, com as contas e o parecer do Conselho Fiscal à apreciação e votação da Assembleia Geral;
  7. Admitir e excluir associados;
  8. Elaborar os regulamentos internos da Associação;
  9. Propor à Assembleia Geral alterações às tabelas de jóias e quotas ordinárias e o estabelecimento de quotas extraordinárias, bem como de quaisquer derramas.

Artigo 18º.

  1. A Direcção reunirá ordinariamente com a periodicidade que entender necessária e, extraordinariamente, sempre que for convocada pelo seu presidente, podendo funcionar desde que esteja presente a maioria dos seus membros.
  2. As deliberações serão tomadas por maioria de votos dos presentes, tendo o presidente, em caso de igualdade, voto de desempate.
  3. O Presidente é substituído nas suas faltas ou impedimentos pelo vice-presidente, o vice-presidente pelo tesoureiro, o tesoureiro pelo secretário e o secretário pelo vogal.

Artigo 19º.

Para obrigar a Associação são necessárias e suficientes as assinaturas de dois membros da direcção, devendo uma delas ser a do presidente. Nos casos em que haja movimento de fundos, a segunda assinatura será a do tesoureiro.

 

Secção IV  –  Conselho Fiscal

Artigo 20º.

  1. O Conselho Fiscal é constituído por três membros, sendo um presidente e dois vogais.
  2. O presidente é substituído na sua falta ou impedimento pelo vogal efectivo mais idoso.
  3. Aplicam-se ao funcionamento do Conselho Fiscal as regras estabelecidas para a Direcção no n.º 1 do Art.º 16.

Artigo 21º.

Compete ao Conselho Fiscal:

  1. Acompanhar e fiscalizar os actos administrativos e financeiros da direcção;
  2. Prestar à direcção a colaboração que lhe seja solicitada;
  3. Verificar periodicamente a regularidade dos livros, registos contabilísticos e documentos que lhe servem de suporte e a existência de quaisquer bens ou valores pertencentes à Associação;
  4. Elaborar anualmente o relatório sobre a sua acção fiscalizadora e dar parecer sobre o relatório, contas e propostas de carácter financeiro apresentados pela direcção.
  5. Pronunciar-se obrigatoriamente sobre a dissolução e forma de liquidação da Associação.
  6. Velar pelo exacto cumprimento da lei e dos estatutos.

 

Capítulo IV

Regime Financeiro

Artigo 22º.

  1. As receitas da Associação são constituídas:
  2. Pelo produto das jóias e quotas pagas pelos associados;
  3. Pelas taxas estabelecidas para a utilização dos serviços;
  4. Pelos donativos ou subsídios que lhe forem concedidos;
  5. Pelos produtos resultantes da sua actividade;
  6. Por quaisquer outras receitas legítimas.

 

Capítulo V

Disposições Finais

Artigo 23º.

  1. A dissolução da Associação só pode ser deliberada em Assembleia Geral especialmente convocada para esse fim.
  2. No caso de dissolução, a liquidação será realizada nos termos estabelecidos pela Assembleia e pela legislação aplicável.

Artigo 24º.

No que estes estatutos estejam omissos, rege o regulamento geral e interno cuja aprovação e alterações são da competência da Assembleia Geral e na sua falta, a lei geral.

 

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

Estatutos ACIM – Portal da Justiça